sexta-feira, 10 de maio de 2013

66) Algumas Considerações Sobre o Trânsito de Veículos

Falar sobre trânsito é algo muito usado. Há campanhas e campanhas visando maior segurança nas ruas e nas estradas brasileiras, fala-se sobre isso diariamente no rádio e na TV, mas os acidentes continuam a ocorrer todos os dias, quase sempre acompanhados por muita violência.

Ou o brasileiro é basicamente imprudente, ou incompetente, mas o caso é que tudo se repete tragicamente, parecendo que o mau exemplo que se contempla todos os dias não serve de experiência acumulada para os que permanecem rodando por nossas ruas e estradas, os quais, teimosamente, contribuem para novos e cada vez piores acidentes.

Não sou grande autoridade para dar conselhos a quem quer que seja, porem meus 72 anos de automobilismo, dirigindo os mais diversos carros nas ruas e nas estradas não só do Brasil mas também dos USA e da Europa, autorizam-me, creio eu, a fazer alguns comentários sobre o assunto de trânsito, na esperança de que alguém os leia e possa, com boa vontade, aperfeiçoar seu “driving” de veículos automotores.

Fala-se muito, em todas as campanhas e nos meios de divulgação, no excesso de velocidade como causa principal de acidentes graves com veículos. Sem dúvida o excesso de velocidade contribui para o acidente, porem a causa de acidentes mais graves, invariavelmente com mortes, é, sem dúvida, a ultrapassagem errada e em local proibido, e no entanto pouco se fala nisso. Na ultrapassagem inadequada, em que dois veículos se chocam frente a frente, há que se considerar o fato de que suas velocidades se somam, o que torna o choque muito mais violento e quase sempre fatal. Se dois veículos desenvolvendo cada um a velocidade de 80 km por hora se chocam de frente, o impacto corresponde a 80+80 km/h, ou seja, é o mesmo que um veículo chocar-se contra uma parede à velocidade de 160 km/h !

Há um outro fator a considerar com relação às velocidades nas ultrapassagens: trata-se da velocidade relativa entre os veículos que são ultrapassados e o que os ultrapassa.
Quando tentamos ultrapassar um veículo que vai à nossa frente com velocidade inferior, precisamos considerar a diferença de velocidades entre os dois, pois quanto menor for essa diferença, mais tempo levaremos na ultrapassagem e maior será o perigo. Quando tentamos ultrapassar um veículo longo ou uma fila de veículos, se tivermos uma velocidade relativamente baixa, estaremos expostos por mais tempo a uma eventual colisão. Por isso, nas ultrapassagens, precisamos ter certeza de que vamos fazê-lo rapidamente, reduzindo ao mínimo o risco de uma colisão (nas estradas simples, bem entendido).

E há também os imprevistos; coisas que podem acontecer,  e que podem  piorar a situação de quem está tentando ultrapassar. Vou contar algo que aconteceu comigo, a muitos anos, numa viagem de automóvel de São Paulo para Curitiba: Eu seguia por uma reta muito longa, numa estrada simples, na velocidade máxima permitida. À minha frente seguia uma dessas jamantas que transportam automóveis, em menor velocidade. Decidi ultrapassar a jamanta; olhei à frente e vi bem ao longe um caminhão que vinha na outra mão. Dadas as distâncias, velocidades e visibilidade, achei que poderia ultrapassar a jamanta sem dificuldades, acelerei para uns cem km/h e entrei na contra-mão mais veloz do que a jamanta. Quando estava ao lado da mesma, com o outro veículo ainda distante, um dos pneus traseiros de meu carro estourou, e eu passei a ter dificuldade em controlar o carro, que começou a oscilar de um lado para o outro, com a ameaça de uma capotagem. Eu não podia entrar à direita, pois a jamanta estava a meu lado ocupando todo o espaço, e o outro caminhão se aproximava veloz.
 
Nesse momento o atento motorista da jamanta percebeu que eu estava em dificuldades e freou seu veículo abrindo espaço à minha direita para que eu pudesse entrar na mão, apesar do “rabear” de meu carro, livrando-me do perigo iminente. Esse atento e colaborador motorista fez ainda a gentileza de estacionar fora da estrada e ajudar-me a trocar o pneu. Creio que posso dizer que devo a vida a ele, à sua maneira de ser, e no entanto não guardei seu nome ou endereço, e nunca mais o vi. Que pena !
 
Seja lá como for, e sem a pretensão de saber mais do  que os outros, gostaria de relacionar alguns pontos que me parecem importantes para evitar acidentes nas ultrapassagens, visando principalmente os motoristas inexperientes, os quais devem hoje ser muitos, considerando que anualmente as montadoras despejam milhares de novos veículos nas ruas e estradas do país, que são em parte, pelo menos, absorvidos por motoristas novatos que não têm experiência suficiente para dirigir em estradas, principalmente as simples e muito trafegadas.

Eu relacionaria o seguinte, com relação às ultrapassagens, com o objetivo de reduzir o número de mortes em acidentes:

- Nunca cruzar por cima dessa linha contínua, às vezes dupla, que proíbe a ultrapassagem em lugares perigosos. Ela existe para proteger os motoristas, e não deve ser ignorada, como acontece frequentemente. 

- Quando temos um veículo mais lento à frente, e desejamos ultrapassá-lo, devemos antes de mais nada deixar um intervalo de dois a três comprimentos de carro entre o nosso e o veículo à frente, para ter espaço para retornar à nossa mão, caso necessário.

- Ao tentar uma ultrapassagem, devemos antes passar um pouco à esquerda e olhar para a estrada à frente. Dependendo das velocidades, um veículo na outra mão pode parecer estar longe, o que não o impede de aproximar-se rapidamente e tornar-se um risco. Se seu julgamento for favorável à ultrapassagem, e as distâncias e velocidades adequadas, entre na contra-mão o mais rápido possível, cuidando para que haja espaço à frente e à direita, para reentrar em sua mão.

- Esteja sempre atento e preparado para agir em caso de perigo. Não faça coisas arriscadas; em caso de dúvida, desista. Nada justifica uma pressa que ponha a situação em perigo.
Colabore amistosamente com os outros motoristas, como espera que o façam consigo.
Nas ultrapassagens acenda os faróis, para tonar seu carro mais visível, e para avisar o motorista do carro que se aproxima, que você está na contra-mão.

- Numa estrada simples e com muito tráfego, se encontrar à sua frente uma longa fila de veículos mais lentos que o seu, desista de ultrapassá-los, pelo menos enquanto as condições forem perigosas. Lembre-se que pode não haver espaço entre dois veículos à sua frente que lhe permita retornar ao lado direito da estrada numa situação de perigo de colisão.

- À noite ou com má visibilidade, redobre os cuidados nas ultrapassagens. Com nevoeiro denso use sempre os faróis acesos para tornarem seu veículo mais visível. Verifique periodicamente o estado de suas luzes para consertar alguma queimada tão pronto quanto possível. Com nevoeiro reduza bastante a velocidade e mantenha uma boa distância do veículo à frente, para evitar os “engavetamentos” que são tão comuns por falta de cuidado. Se a situação estiver muito ruim, só podendo enxergar o veículo à frente quando estiver muito próximo ao mesmo, é melhor entrar no primeiro desvio ou posto de gasolina e aguardar melhora das condições de visibilidade.

Para encerrar estes comentários despretensiosos, aí vai um conselho, principalmente para os novatos: Proceda com cuidado, esteja preparado para situações difíceis e seja responsável, lembrando-se de que as vidas dos passageiros de seu carro estão entregues aos seus cuidados.
E boa e segura viagem !

Um comentário:

  1. Caro Cmdte. Bordini,
    Por coincidência que "tropecei" neste blog. Eu, sou filho de um antigo colega seu, o Eng. Saboya, Chefia Manutenção POA/CGH e Operações SDU. Caso lembre-se dele gostaria de trocar recordações de outra época que presenciamos.
    Um abraço,
    R.Saboya

    ResponderExcluir